Na abertura do CONGRESSO USP DE CONTABILIDADE DE 2020 houve uma homenagem aos autores do livro Manual de Contabilidade Societária.

Inicialmente o Prof. Nelson Carvalho leu um trecho cujos excertos estão abaixo. Em seguida houve duas apresentações musicais inéditas nesse tipo de evento.

Leia e ouça:

PROF. NELSON: “A contabilidade brasileira era simplesmente lastimável: por exemplo, nem existia demonstração do resultado e nem de resultados acumulados: eram juntadas numa única, denominada Demonstração de Lucros e Perdas dificílima de ser entendida. 

No início da década de 60 os Profs. Boucinhas, Alkindar, Sergio de Iudicibus promovem a revolução no ensino da contabilidade, passando à metodologia norte-americana de educação contábil e de visão da contabilidade.  Nascem e crescem, agora sob a liderança do Prof. Sérgio, a Contabilidade Introdutória e a nova visão contábil. Por muitos anos só a FEA ensinava e escrevia assim. Consolidação, equivalência, Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos e outros eram assuntos praticamente ensinados só nessa Escola.

Em 1976, toda a filosofia contábil norte-americana é colocada na nova Lei das S/A, com o Contador Manoel Cruz fazendo sua parte contábil. E é criada também a CVM – Comissão de Valores Mobiliários. E alguns meses depois, início de 1977, a Diretoria da CVM procura a FIPECAFI dizendo que éramos os únicos capazes de disseminar a contabilidade da nova Lei. E com isso a CVM financiou a criação do então Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações, com a frente composta pelos Profs. Sérgio de Iudícibus, Eliseu Martins e Ernesto Gelbcke, então jovens…..

E assim se implantou a primeira grande revolução contábil no Brasil. Continuou a evolução da contabilidade com as novas normas da CVM e também do CFC, mas com as limitações da Lei e as fiscais. Só em fins de 2007 sai a Lei promovendo a separação entre Fisco e Contabilidade e muda-se a Lei das SA para permitir a adoção das normas internacionais de contabilidade do IASB para se conseguir demonstrações mais homogêneas mundialmente e com isso, avançar no processo de globalização, redução do custo de capital das empresas, facilitação negociações globais, inclusive de compra e venda de empresas, de financiamento, de crédito para comércio etc.

Assim, entre 2008 e 2009,  a segunda grande revolução contábil que entrou em vigência totalmente a partir de 2010. E daí nasce, em continuação ao antigo Manual, o novo, agora Manual de Contabilidade Societária, agregando-se como autor o Prof. Ariovaldo dos Santos. E, como antes, com grande apoio de colegas professores da FEA e alunos do pós-graduação participando da redação (eu entre eles). Desde o início até hoje, 42 anos de vida desse Manual.

A administração deste Congresso deliberou homenagear esses autores e incumbiu-me de transmitir isso a todos e mencionar a apresentação de dois programas musicais para a comemoração.

Primeiramente, teremos algo diferente. Um professor do Insper, graduado em Contabilidade por esta casa, Doutorado também, mas que fez o Mestrado do outro lado da rua, na ECA – Escola de Comunicações em Artes. E quebrando a tradição daquela Escola, especialista em instrumentos eruditos, defendeu o Mestrado em….. Viola Caipira. O Prof. Eric Martins. E vai nos brindar, para essa comemoração, com a música Chico Mineiro, mas com outra letra por ele feita e com autores participando também. Prestem atenção.

E a seguir teremos o Prof. Sérgio de Iudícibus apresentando, ao piano, um formidável arranjo do Fantasma da Ópera.”

Website | + posts

Deixe uma resposta